BATIZADOS E ENVIADOS:A MISSÃO


             Para celebrar o centenário da Carta Apostólica Maximum illud de Bento XV, sobre a atividade desenvolvida pelos missionários no mundo, o Papa Francisco decretou este mês de outubro como Mês Missionário Extraordinário, com o tema “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo”. A finalidade desse decreto é despertar, em medida maior, a consciência da missão ad gentes e retomar com novo impulso a transformação missionária da vida e da pastoral. Por isso, a réplica da Cruz Missionária, abençoada pelo Papa, está percorrendo todas as dioceses do Brasil, recordando a todos a Missão da Igreja, incentivando a todos os cristãos a serem missionários, cada qual no seu próprio estado de vida e condição. 
            Na Evangelii Gaudium, o Papa Francisco afirma que “a ação missionária é o paradigma de toda obra da Igreja” (n. 15). Trata-se de pôr a missão de Jesus no coração da Igreja, transformando-a em critério para medir a eficácia de suas estruturas, os resultados de seu trabalho, a fecundidade de seus ministros e a alegria que eles são capazes de suscitar. Porque sem alegria não se atrai ninguém. “Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação. A reforma das estruturas, que a conversão pastoral exige, só se pode entender neste sentido: fazer com que todas elas se tornem mais missionárias, que a pastoral ordinária em todas as suas instâncias seja mais comunicativa e aberta, que coloque os agentes pastorais em atitude constante de ‘saída’ e, assim, favoreça a resposta positiva de todos aqueles a quem Jesus oferece a sua amizade. Como dizia João Paulo II aos Bispos da Oceania, ‘toda a renovação na Igreja há de ter como alvo a missão, para não cair vítima duma espécie de introversão eclesial’.” (Evangelii Gaudium n. 27).
            O Papa Francisco indicou quatro dimensões para vivermos este mês missionário: 1. O encontro pessoal com Jesus Cristo vivo na sua Igreja: Eucaristia, palavra de Deus, oração pessoal e comunitária. Jesus é o modelo da missão, que nasce do nosso encontro com ele, que dá novo horizonte à vida; 2. Testemunho: valorizar os Santos Padroeiros da Missão, São Francisco Xavier e Santa Teresinha, bem como o testemunho de muitos santos, especialmente dos Mártires da Missão e dos confessores da fé, que são expressão da Igreja espalhada por todo o mundo; 3. Formação: Bíblica, catequética, espiritual e teológica sobre a missio ad gentes, a partir da temática do Mês Missionário e do texto da Carta Apostólica Maximum illud de Bento XV. Recuperar a proposta de itinerário formativo do discípulo missionário no documento de Aparecida (n. 276-278). 4. Caridade missionária: como ajuda material para o imenso trabalho de evangelização, da missio ad gentes e da formação cristã das Igrejas mais necessitadas. 
            E como intenção especial neste mês missionário, rezemos pelo bom sucesso do Sínodo da Amazônia, que trata dos desafios da Evangelização naquela região, para que se acenda com mais vigor o espírito missionário dos que lá trabalham em nome da Igreja, como quer o Papa, e que ideias espúrias e planos heterodoxos não sejam adotados na região, em detrimento da missão evangelizadora.     

1 comentários:

  1. POR OUTRO LADO, OUTRO PAPA FRANCISCO?
    Eis aí a “Igreja em saída” da Igreja católica de 2000 anos do papa Francisco, rumo aos gentium dii omnes daemonia – Sal 95,5 – e todas as atitudes alternativas supostamente religiosas, meras metamorfoses ambulantes inventadas no Sínodooco da Amazonia e, a todos os que as julgarem convenientes, por certo serão acolhidos no estado em que se encontram, portanto o fundador delas dá por benvindos à nova suposta religião do neo paganismo, dessa vez patrocinada pelo papa Francisco, seria ex cristão – se é que anteriormente o foi!
    Agora sim: possuimos a verdadeira face oculta do papa Francisco, sua metas apresentadas a se realizarem e a destinação do “Sínodooco da Amazonia”!
    A dupla diabólica dos carbonarios maçonistas Vindice e Nubius e essa satanista seita, excomungados pelo papa Clemente XII, em 1738 devem estar comemorando(?) de dentro do inferno tudo aquilo que repassaram de maléfico e desafiante ao Senhor Deus Todo Poderoso, e àqueles aos seus asseclas posteriores para assentarem nessa nova "religião" urdida em suas monstruosas e frenéticas mentes, nas quais haviam armazenadas e recheadas apenas fezes de Satã!
    Eis aí copias exatas de Baal, Moloc etc., + deuses doutros gentios à volta de Israel, embora modelos modificados, no entanto, o conteúdo é o mesmo, apenas adaptadas ao momento presente sob novos nomes, embora tudo continue ao mesmo!
    Dessa vez, como: Mãe Terra, Mãe Natureza, Pacha Mama, Xamã e outros diversos nomes atribuídos a essas divindades na era pós moderna, as quais continuam como sendo as mesmíssimas cópias fidedignas da Serpente do Éden!
    “Por que tumultuam as nações? Por que tramam os povos vãs conspirações? Erguem-se, juntos, os reis da terra, e os príncipes se unem para conspirar contra o Senhor e contra seu Cristo. Quebremos seu jugo, disseram eles, e sacudamos para longe de nós as suas cadeias! Aquele, porém, que mora nos céus, se ri, o Senhor os reduz ao ridículo. Dirigindo-se a eles em cólera, ele os aterra com o seu furor” – Sal 2-5.
    “Contudo, tu, ó Eterno, deles te ris, zombas da arrogância de todas as nações” Sal 59 8.
    É o Sínodooco da Amazonia desmascarado”!
    A bênção, D Fernando!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem vindo. Que Deus o abençõe.